Cuidado com a língua!

Isso é o que Acontece de Verdade Quando um Cachorro Lambe o seu Rosto

COMPARTILHAMENTOS

Já te disseram alguma vez que a boca de um cachorro é mais limpa que a de uma pessoa? Esse é o melhor exemplo de “não acredite em tudo o que você ouve por aí”. Não é nenhuma surpresa, mas as bocas dos cães e seres humanos têm bactérias, e muitas delas. Mas o mais interessante é que compará-las é tipo comparar maçãs com laranjas. Elas são completamente diferentes.

giphy-1-5

Somente 16% das bactérias caninas são as mesmas encontradas nas bocas humanas. O resto pode ser perigoso se entrar em contato diretamente com o ser humano. Alguns estudos já comprovaram que a transferência de bactérias entre cães e seres humanos pode causar gengivites e outras doenças periodontais.

Screen-Shot-2016-03-30-at-8

Uma dessas bactérias, a Porphyromonas gulae, pode causar inflamação na gengiva e até perda dos dentes.

Essa doença é bem rara em humanos, mas muito comum em cães. O estudo feito com os donos de cães mostrou que 16% deles tinham essa bactéria, provavelmente contraída dos cachorros.

Screen-Shot-2016-03-30-at-8-1

Se você precisa de mais alguma razão para manter as bocas caninas afastadas da sua, saiba que existem alguns tipos de bactérias resistentes a antibióticos, o que torna o tratamento de qualquer problema causado por elas mais difícil.

Screen-Shot-2016-03-30-at-8-3

E atenção ao mito de que a saliva canina tem propriedades curativas. Não deixe seu cachorro lamber seus machucados. Isso é perigoso! Existe uma bactéria chamada Pasteurella, tratável com antibióticos, mas que pode ser a porta de entrada para outros problemas maiores, inclusive infecções.

giphy-26

Mesmo com esses riscos potenciais, uma lambida no rosto aqui e ali, não faz tão mal assim. E se você preferir continuar com seus hábitos de carinho, lembre-se que a transmissão de doenças é uma via de mão dupla.

Vale lembrar também que existem outros estudos que mostram benefícios dessa troca de carinho entre humanos e seus cães, como este aqui (matéria relacionada abaixo). Vale então ter a consciência de que, sim, há riscos, mas não precisa ser completamente radical, já que há também coisas boas nessa troca de afeto.

Vimos no DNews